-content'/> Junho 2015 | Princesas De Deus ♥

Quem sou eu

Minha foto

Jovem Adoradora, escolhida por Deus, Amo Musica , Futura Psicóloga  ! Segue no snap: dayane_linasv 

Nem Cristo julgou o mundo

Foto: internet
Foto: internet
Nos últimos dias, tem-se visto na internet grandes polêmicas envolvendo o cristianismo e a homossexualidade. A primeira delas foi uma propaganda de uma empresa de cosméticos brasileira que mostrou casais héteros e homossexuais se abraçando e trocando presentes no Dia dos Namorados. Algumas pessoas se manifestaram contra a empresa por acreditarem que o comercial desrespeitava a sociedade e a família tradicional.
Em redes sociais, cristãos criticaram a ação da companhia, fizeram reclamações e alguns até falaram em boicote, ou seja, deixar de usar os produtos por ela comercializados como ato de “punição”.
É claro que todos podem expressar livremente sua opinião. Alguém que não concorda com a exibição de uma propaganda – como de qualquer outro produto – tem o direito de protestar, sim. Acontece que, em primeiro lugar, aos cristãos “tudo é lícito, mas nem tudo convém” (1 Coríntios 6.12). Ou seja, não é porque todos têm liberdade de expressão que poderão falar de tudo, de qualquer jeito, sem respeitar o outro. Em segundo lugar, a vontade de fazer justiça em prol de princípios bíblicos não pode ultrapassar o segundo principal mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Marcos 12.31).
A Igreja de Cristo prega o amor, e quem ama respeita. A Palavra de Deus diz que “o amor não trata com leviandade” (1 Coríntios 13.4), ou seja, imprudência, insensatez, irreflexão. Portanto, falar sem preocupar-se com o próximo, confrontando sem respeitar seus pensamentos e opiniões, não se parece nem um pouco com o amor de que tanto se fala.
Outra polêmica que tem se espalhado nas redes sociais é a atitude de alguns homossexuais na última Parada LGBT, em São Paulo. Uma transexual, por exemplo, desfilou pendurada numa cruz, e isso foi motivo de indignação por parte de alguns cristãos. Claro que, num primeiro momento, é uma imagem impactante e que, com certeza, afrontou muitos cristãos. Mas, antes de comentar, é preciso pensar, refletir, para não agir com leviandade.
O respeito tem, por obrigação, que partir de nós, cristãos, pois temos o excelente exemplo de Jesus, que não julgou ninguém, mas, sim, amou a todos. Não é que temos que concordar com a prática homossexual, afinal, ela vai contra princípios bíblicos. E boa parte dos praticantes sabe disso. Em vez de julgarmos e querermos que eles se convertam a qualquer custo, o que pode gerar ainda mais resistência neles, temos que amá-los, respeitá-los, não julgá-los, porque não cabe a nós julgar ninguém na face da terra.
A Igreja de Cristo existe para acolher, abraçar, cuidar das pessoas, e o objetivo dela é que mais e mais vidas sejam alcançadas pelo amor de Deus. Será que, participando de polêmicas, como as citadas anteriormente, esse objetivo será alcançado? Será que em vez de atrair aqueles que ainda não vivem o amor de Jesus não estamos repelindo-os?
Não é que a Igreja precisa se calar. Pelo contrário, a Verdade de Cristo deve ser espalhada por todos os cristãos, mas não com mensagens negativas, carregadas de preconceito e exclusão, mas de amor, esperança e paz!
“E, se alguém ouvir as minhas palavras, e não as guardar, eu não o julgo; pois eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo” (Jesus Cristo).

Fome Por Mais De Deus





“A sanguessuga tem duas filhas, a saber: Dá, Dá. Há três coisas que nunca se fartam, sim, quatro nunca dizem: Basta! Elas são a sepultura, a madre estéril, a terra, que se não farta de água, e o fogo, que nunca dizem: Basta!” (Pv 30.15,16)
Normalmente este texto da bíblia é usado apenas para um aspecto negativo, apenas para falar de inveja ou cobiça, mas consigo ver algo diferente aqui. Esse versículo diz que a sanguessuga tem duas filhas, e o nome delas são: Dá, Dá. As sanguessugas normalmente querem apenas sugar. Sabemos que é melhor dar do que receber, mas, elas possuem uma coisa interessante: fome. Elas vão sugando, sugando, sugando, e estão sempre querendo mais. A bíblia traz uma relação de quatro coisas que nunca dizem “Basta!”, que nunca estão satisfeitas:
1 – Sepultura
Veja quantas pessoas já morreram no planeta terra, tantas guerras que aconteceram, catástrofes, mas a sepultura continua dizendo: “Eu quero mais, Eu quero mais!”. E o pior é que ela olha para você e diz: “Eu quero você, eu não estou satisfeito, eu quero mais!”. Tem um pedacinho de terra reservado para todos nós. Essa é a verdade, enquanto Jesus não voltar, a sepultura não vai se fartar, mesmo que já tenha morrido milhões e milhões de pessoas, ela continua querendo mais. Ela não está satisfeita!
2 – A terra
Ela não se farta de água. Você já parou para perceber isso e se perguntar para onde vai tanta água? Há dias que chove muito, formando correntezas e alagamentos, mas de repente a água some, entra na terra. No outro dia chove de novo, e a terra continua a falar: “Eu quero mais! Eu não estou satisfeita!”. O rio Tietê particularmente gosta muito de receber água, ele vai recebendo mais, cada vez mais, até que transborda, e mesmo depois de transbordar, ele continua querendo MAIS! Um dos afluentes do Rio Amazonas é o rio Tapajós, mas nunca vi uma placa no Amazonas com a frase: “Não é assim que funciona!”, pelo contrário, ele continua a dizer: “Eu quero mais, Eu quero mais!”. No Oceano Atlântico, onde Rio Amazonas descarrega toda a sua água, também não tem uma placa de protesto: “Chega Amazonas, eu não suporto mais, eu vou começar a subir nas praias, chega!!!”. Ao contrário, ele continua a dizer: “Eu quero mais!!!”.
3 – O fogo
Se pegarmos algumas cadeiras, empilharmos, e atearmos fogo, elas serão consumidas. Se colocarmos mais cadeiras, outros objetos, e alimentarmos o fogo para vermos se ele irá se satisfazer, ele continuará a dizer: “Eu quero mais!”. O fogo vai consumir qualquer coisa que colocarmos na fogueira. Por toda a história o fogo tem consumido objetos, pessoas, e ele nunca está satisfeito. Em 1666, milhares de pessoas morreram em Londres em um incêndio que alcançou toda a cidade. Em 1776, devastou a cidade de Nova Iorque, mas continua querendo mais.
Essas três coisas nunca estão satisfeitas, elas sempre querem mais, a sepultura, a terra, e o fogo. E é dessa forma que deveríamos ser em relação a Deus. O nosso problema é que andamos um pouco com Deus e já estamos satisfeitos. Quantos de nós não estamos acomodados com nosso título e posição, ou apenas encenando, sendo bons atores. Em muitos de nós falta fome. Precisamos ter mais fome e desejar tudo o que Deus tem para nos oferecer. Os jovens que irá marcar essa geração tem que ser a de jovens apaixonados por Deus, sedentos, famintos. Jovens que amam ao Senhor.
Em apocalipse 3.15 está escrito: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente, quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, estou a ponto de vomitar-te da minha boca. Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um coitado, e miserável, e pobre, e cego e nu!”. Muitos estão nessa situação, não tem mais fome, estão acostumados com a presença de Deus, são apenas mecânicos, mas isso não pode ser assim. Com certeza ainda temos muito mais para conquistar em Deus do que já temos.
II Tm 4.7,8 diz: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está reservada, a qual, o Senhor, reto juiz me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos quantos amarem a sua vinda”. Você realmente acordou hoje pensando nisso? Você realmente acredita que Jesus vai voltar? Ou você pensa que isso ainda está muito longe? Hoje é dia de sermos renovados. Renovados em nossa fome por Deus, em nosso anseio pela sua volta. E amar a Deus e ter fome de Seu mover implica em não amarmos o mundo.
4. Mãe estéril
No livro de Gálatas, capítulo 6, verso 14 lemos: “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”. A sepultura, a terra e o fogo, clamam por mais, porém, a bíblia nos mostra outro exemplo de alguém que nunca diz basta, a mãe estéril. Nunca diz basta porque anseia por filhos. Essa é a segunda característica marcante na vida de um Radical Livre, por um lado, ele quer Deus, ele ama a Deus, mas por outro, há uma paixão pelas almas. A responsabilidade pela conversão dos perdidos muitas vezes tem sido transferida para métodos de evangelismo, cultos e encontros, mas não para o nosso próprio coração. Deve haver em nós paixão, clamor e fome por ver Deus se movendo e os pecadores indo a Cristo e sendo transformados.
Dr. Oswald Smith disse: “Não importa o quão espiritual seja uma congregação: se almas não estão sendo salvas, algo está radicalmente errado, e a pretensa espiritualidade não passa de falsidade, uma ilusão do diabo. A espiritualidade autentica sempre produz resultados”. A paixão pelas almas não virá enquanto não houver FOME ESPIRITUAL em nossos corações. Enquanto o lazer, o entretenimento, a autopreservação forem mais fortes que nossas lágrimas de intercessão, nosso encargo por edificar a igreja, nossa disposição irrestrita e compromisso com a liderança, não poderemos experimentar o mover de Deus.
Esse é o clamor de uma mãe estéril que deseja filhos, e deve ser o nosso clamor. Não por causa de nós, mas por causa de uma paixão que nos consome. Como Jesus na cruz, quando o ladrão pede por socorro em Lucas 23.42 ele não mede esforços, porém, mesmo na face da morte encontra forças para evangelizar. Jesus não pode suportar o clamor de um pecador. Esse deve ser o nosso coração, paixão por Deus e paixão pelas almas! Nunca experimentaremos tudo de Deus enquanto Deus não tiver tudo de nós. Nossos olhos precisam ser abertos para além de nossas necessidades pessoais, profissionais e sentimentais. Precisamos ver o que Deus vê quando olha para o mundo perdido e necessitado. Deus tem um clamor em Seu coração e deseja compartilhá-lo, isto é, paixão pelas almas.

Radicais contra o pecado


O Senhor não dá nada pronto, Ele trabalha com sementes
Tudo de que precisamos para cumprir o chamado de Deus, já está dentro do nosso coração, do nosso espírito. O que precisa haver é revelação, reconhecimento. Muitas pessoas não se tornam vencedoras porque não reconhecem as oportunidades que Deus coloca em suas vidas. É tempo de parar de dar desculpas. Precisamos nos posicionar e crer que, para tudo aquilo que Deus tem para nossas vidas, Ele já providenciou todas as coisas. Existe algo que não estamos vendo que podem afetar nosso ministério, vida, célula, discipulado. Portanto, reconhecer é a chave para avançar ministerialmente. A Bíblia diz, em Lucas 19.41-44, que Jesus chorou e, diante de Jerusalém, falou o que podemos parafrasear como: “Oh Jerusalém, você não reconheceu o tempo da sua visitação, não reconheceu o tempo da oportunidade, o trem passou e você não estava no ponto!”. Há muitos irmãos que não se casam porque são carnais e não reconhecem as oportunidades de Deus. Não se abrem para conhecer outras pessoas e perdem a oportunidade de se casar com um homem ou mulher de Deus.
Muitos irmãos não avançam porque não conseguem reconhecer a oportunidade que Deus colocou em suas vidas através do discipulador que está com eles, por exemplo. Alguém fala: “Esse discipulador não pode ser de Deus, ele é muito duro!”. Mas quem sabe não é disso que precisamos para mudar nosso caráter, caráter torto que só nos faz chegar atrasados, que não nos deixa cumprir nossos compromissos. Às vezes, estamos precisando de pessoas firmes, precisamos reconhecer que aquela pessoa, aquele discipulador, aquele patrão, aquele pastor que Deus colocou em nossas vidas, às vezes difícil de conviver, pode ser uma porta de Deus para crescermos, para avançarmos. Não basta ter respeito, é preciso reconhecer.
Davi reconheceu a unção de Saul e recebeu a realeza, mas Saul não reconheceu a unção de Davi e, por isso, perdeu o trono. Devemos reconhecer as pessoas, como Davi reconheceu. Tudo é teste. É muito fácil se submeter às pessoas que achamos que são as melhores, mas o teste está muitas vezes naquelas pessoas que nos contrariam. Talvez seja justamente aí que Deus queira fazer. Às vezes, as portas se abrem diante de nós, mas, por medo, não entramos, não acreditamos, e pode ser que seja ali que Deus tenha algo para nós. Precisamos também reconhecer os inimigos que se levantam contra nós. Cuidado com as pessoas que estão mais perto de você! Elas são as primeiras portas de entrada para o fracasso. Cuidado com pessoas que tiram o temor de Deus do seu coração, com pessoas que são naturais, que acham tudo normal! Esse tipo de gente nos afasta de Deus.

Se você deseja algo que nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez
Você deseja colher o que nunca colheu? Então, precisa semear o que nunca semeou. Jejue e ore como nunca jejuou e orou. Faça algo a mais do que você já fez. Plante em Deus. Deus trabalha com sementes. Oferte mais do que você já ofertou e espere uma colheita maior. Você vai ver um mover muito maior de Deus. Deus sempre nos dá sementes, Ele não nos dá coisas prontas nem acabadas. Se você quer um marido ou uma mulher de Deus, precisa gerar em oração. Ninguém está pronto. A edificação precisa ser gerada. A única forma de você desenvolver essa semente é semeando. Semeie na vida dos seus líderes, semeie sua vida em Deus, em jejum e oração, e você vai colher aquilo que semear.

Vencedores fazem diariamente o que derrotados fazem ocasionalmente
O segredo da sua vida, do seu futuro está escondido em sua rotina diária. Aquilo que você faz com sua vida vai determinar o seu futuro. Se você vê alguém sério, que estuda, vai perceber que ele será um excelente profissional, será abençoado, próspero, porque a vida dele diária é condizente com o futuro que ele espera. Se eu perguntar: “Quem quer se casar com um homem de Deus?”. Muitas vão levantar a mão, mas você é mulher de Deus? Você ora todo dia pelo menos uma hora, lê a Bíblia, jejua? Se você quer se casar com um homem de Deus, o mínino que se espera é que suas atitudes diárias sejam de uma mulher de Deus. Suas roupas e suas conversas são de mulher de Deus? Os mesmos questionamentos valem para os homens. Como alguém pode falar que quer colher, multiplicar célula, ganhar almas, mas não planta, não ora, não jejua? Grandes homens possuem grandes hábitos. Daniel orava três vezes ao dia e orava para valer. O hábito é um dom de Deus para nos levar a ter sucesso. Em Lucas 4.16, descobrimos que Jesus era um homem que tinha hábitos. Ele era alguém que orava.

Vencedores tomam decisões que criam um futuro almejado
Vencedores andam num caminho de vitória. Tudo o que você está fazendo vai influenciar o seu presente ou o seu futuro. Você vai ter que escolher. Jesus passou por um tempo de dor no Getsêmani para ter uma eternidade ganha, para ter um reino, um trono. Nós, porém, queremos a coroa, mas não queremos os espinhos. Vencedores são finalizadores. Campeões são pessoas que terminam as coisas, que vão até o fim, que não desistem. Uma das frases mais poderosas de Jesus foi: “Está consumado!”. Isso nos mostra que Ele é alguém que foi até o fim, que cumpriu o propósito de Deus, que não desistiu. Mas muitas pessoas desistem porque são “panela com tampa aberta”. Estes são dias de avançar, quebrar cadeias. Jesus cumpriu. Paulo também cumpriu. Em 2 Timóteo 7, Paulo diz que cumpriu a carreira, guardou a fé, cumpriu o propósito e espera a recompensa do Senhor.

Vencedores são apaixonados

O que realmente deve lhe atrair

Foto: Internet
Foto: Internet
Hoje em dia, muitos têm olhado para a pessoa certa; porém, com o olhar errado. Muitas moças não conseguem enxergar mais do que músculos em um rapaz, e o definem como atraente simplesmente pelo físico.
Rapazes olham para as moças, muitas vezes, e tiram as mesmas conclusões.
Conseguem enxergar apenas um corpo escultural que os atraem e seduzem, despertando os mais abrasivos desejos.
Mas será que a aparência física, o corpo, deve ser mesmo o nível em que você deve se permitir ser atraído(a)? Você já sabe que a resposta, é não. Mas estamos aqui para mostrar, lembrar e incentivar você a permanecer firme naquilo que precisa – realmente – lhe atrair.
1- CARÁTER
“Quem conhece saliva primeiro demora a conhecer caráter.*” (Sarah Sheewa – maneira nossa de escrever)
Quando você olha e é atraída(o) apenas pelo corpo, dificilmente enxergará o que realmente importa. Quem é atraído e permanece fixado apenas na
beleza exterior (que pode até ser sim importante), não consegue, quase que por
nada, enxergar as qualidades e/ou defeitos que o corpo não denuncia. Um homem de caráter vale muito mais do que um homem cheio de músculos e “sem-vergonha”. Uma moça de caráter tem muito mais a oferecer do que uma “pirigospel” que só deseja viver de aparências.
2 – FUTURO
Em relação ao futuro, o que você observa hoje no caráter dela é o que você gostará de conviver anos mais tarde? A pessoa pode não ser “pronta”, como muitos esperam. Mas ela está indo para algum caminho, seja ele tortuoso ou para um futuro glorioso. Fazer essa reflexão de como pode ser o futuro dessa pessoa mediante as escolhas atuais dela, é fundamental se você deseja um relacionamento duradouro e feliz.
A pior coisa é se casar com uma pessoa apenas por motivos imediatistas e no futuro vê-la tomando uma série de decisões precipitadas e erradas que, certamente, impõe um rumo desagradável e destrutivo para toda a família.
3 – MISSÃO
Não existe vento favorável para quem não sabe aonde quer chegar. Certa vez ouvimos essa frase e nunca mais ela saiu da nossa cabeça. Como uma mulher poderá ser submissa (debaixo de uma mesma missão) ao marido se nem ele sabe qual sua missão de vida nessa terra. Procure dialogar e verificar essas premissas. Você poderá se livrar de muitas perdas na vida.

Encha-se de Deus



Minha boca se encherá do teu louvor e da tua honra durante todo o dia (Salmos 71.8)
Considere novamente o versículo de Efésios 3.19 (AMP) “Que vocês possam ser… Um corpo totalmente cheio e transbordantes do próprio Deus”! Imagine como será seu dia se o seu corpo estiver totalmente cheio de Deus. Você será um vaso carregando a presença de Deus onde quer que vá. Isso afetará seus pensamentos, suas emoções e suas atitudes. Estar cheio da divina presença de Deus transformará o que você diz, transformará seu lazer, bem como as companhias que você escolher.
Quando nascemos de novo, Jesus passa a viver em nós como uma semente. Cuidar dessa semente da nova vida regando-a com a Palavra, alimentando-a, arrancando toda erva daninha do pecado em nossa vida faz a semente da presença dEle se tornar cada vez maior, até preencher todo o nosso ser.

Olhe para o lado: uma palavra às mulheres

feminilidade
O coração da mulher é naturalmente muito “cheio”. Dificilmente a mente feminina se focará num único assunto apenas. São planos, ansiedades, vontades, preocupações, necessidades das mais diversas, todos os dias. Mas  tenho aprendido com o Espírito Santo que existe uma escolha diária a ser feita. Podemos viver nessa constante montanha russa emocional feminina rodando em volta dos nossos muitos dilemas, ou podemos frear nosso furacão interior, nos esvaziando um pouco de todo o nosso agitado universo e olhando com mais atenção para o lado.
O lado daquela pessoa carente de atenção. O lado do coração angustiado necessitado de aconselhamento. O lado da comunidade. O lado do vizinho. O lado do colega de trabalho ou escola. O lado dos amigos. O lado dos parentes. O lado da casa bagunçado pedindo por organização. O lado daquela área na igreja local onde ninguém deseja trabalhar. E acima de tudo, o lado dos que conosco dividem o lar. Pai, mãe, irmãos ou marido e filhos.
Precisamos viver no princípio da prioridade movida pela gratidão. Você se lembra das palavras de Jesus em Mateus 6.33? Ele nos disse para buscarmos o Reino de Deus primeiramente, confiando que as nossas necessidades serão supridas. A nossa carne não gosta muito disso. Em todas as situações ela nos pressionará a questionar (ainda que não admitamos) por que se deve priorizar outra coisa além de nós. A resposta é: Cristo nos priorizou! 1 João 4.19 diz: “Nós amamos porque Ele nos amou primeiro”. O amor recebido gera tanta gratidão que por fim se multiplica, sendo repartido. Quando você entende tudo o que Jesus fez na cruz por você, o perfume precisa se derramar!
Cada vez que uma mulher se esvazia de si mesmo para servir, ela se torna parecida com Cristo: “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo” (Filipenses 2.5-7).
Ser mulher é uma bênção. Temos uma mente fértil e um coração espaçoso. Cabe muita coisa aqui dentro! Mas quando deixamos tantos pensamentos no controle de uma só mente, ela não suporta. Se você vive para os seus desejos, eles lhe escravizam. Mas se você vive para Cristo, Ele o liberta. E viver para Cristo é também viver para tudo além das fronteiras do território chamado umbigo.  Você quer ser preenchida? Se esvazie! Acredite, no Reino de Deus isso faz muito sentido.
Em 2 Coríntios 9.7 diz: “Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria”. Doe-se. Ocupe-se da tarefa de desocupar seu coração de si mesma. Será uma experiência libertadora!
::Thais Monteiro

Livre-se do gosto amargo da falta de perdão!

Foto: internet
Foto: internet
Hoje gostaria de falar um pouquinho sobre perdão. Particularmente já vivi experiências muito profundas na área do perdão, contudo, quanto mais medito na Palavra, mais percebo que não entendo nada acerca do Reino de Deus. É como se fosse um oceano infinito, quanto mais você mergulha na Palavra, mais Deus se revela a você.
No livro 2 Reis capítulo 6, a partir do verso 8, a Bíblia conta a história de um rei que lutava contra Israel. A Palavra diz que a todo tempo aquele rei tentava atacar Israel, contudo suas emboscadas sempre davam errado. Não compreendendo onde estava o erro, o por que de tudo dar sempre errado, aquele rei convocou seus conselheiros e perguntou: “Qual dentre vós está me traindo?”. Foi então que disseram: “Nenhum de nós meu rei. O profeta Eliseu é quem conta ao rei de Israel tudo o que o senhor fala até mesmo no seu próprio quarto”. A partir daquele momento o rei ordenara não somente acabar com Israel mas também matar Eliseu. Resumindo a história: Eliseu orou a Deus, deixou todo o exército inimigo sem enxergar (cego) e os entregou nas mãos do rei de Israel. Popularmente falando: o feitiço virou contra o feiticeiro.
O final do texto é muito simples, o rei de Israel (que sofria com as perseguições do rei da Síria) perguntou a Eliseu: “devo matá-los, devo matá-los?” Eliseu respondeu: “não, prepara-lhes um banquete e os sirva…”. Existem pessoas que estão lendo este artigo agora, que estão presas ao seu chamado, estão literalmente com a vida parada em função da falta de perdão. E o Espírito Santo está usando este artigo exatamente agora para lhe dizer: Perdoe! Pessoas fizeram um grande estrago na própria vida, mas por incrível que pareça, a vontade de Deus para sua vida, querido, é essa: Perdoe e prepare um banquete para o seu agressor.
Ás vezes oramos tantas coisas e nem sabemos o que estamos orando. “Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos”. Você sabe o que está pedindo? Mesa, na Bíblia, simboliza servir. Deus colocará seus inimigos diante de você para você servi-los! O exército inimigo queria arrancar a cabeça do rei de Israel, matar Eliseu e qual foi a atitude dele? Preparou um banquete para os inimigos.
Sua luta não é contra a carne, contra homens, mas contra satanás e suas obras. Qual foi a primeira coisa que Davi fez ao ser coroado como rei de Israel? Existe alguém da descendência de Saul para abençoá-lo? Como somos falhos. Como temos uma visão rasa do evangelho! Amado, Deus permitirá ou mesmo proporcionar encontros como estes, para que venhamos ABENÇOAR nossos inimigos.
É interessante perceber que, quem mais nos ofende, normalmente é quem está mais próximo de nós, já percebeu isto? Perdoar quem você nunca mais verá na vida, pode ser relativamente fácil. Com quem você se relaciona todos os dias? José foi traído pela sua própria família. Seus irmãos o jogaram em uma cisterna e foi dado como escravo. Algum tempo depois o Senhor preparou uma mesa diante dos inimigos dele. Os mesmos irmãos que o traíram ali estavam diante dele. O que ele fez? Os serviu, preparou um banquete para aqueles que o ofenderam e o maltrataram.
::Bruno Pinto

Realmente venha conhecer a Deus


…e [Eu oro] para que sejais tomadas [através de todo seu ser] de toda plenitude de Deus [ possam ter a mais rica medida da Presença divina] [e tornarem-se um corpo cheio e transbordante dele mesmo]. (Efésios 3.19)
Paulo estava orando por nós (a Igreja) quando disse: “Oro para que vocês possam realmente vir a conhecer, pela prática e pela experiência, por si mesmos, o amor de Cristo que ultrapassa o mero conhecimento sem experiência” (veja Efésios 3.19). Ele sabia que precisávamos experimentar o amor de Deus de forma pessoal.
Nossa fé não depende de experiências, mas nosso relacionamento com Deus é real e podemos experimentar visitações de Deus. Precisamos de momentos intensos com Deus, pois é por meio deles que sabemos, sem dúvida alguma, que Ele está Se movendo em nossa vida.
Comece a jornada para conhecer a Deus mais e mais. Esteja consciente do Seu amor por você durante todo o dia.

Um bom casamento começa no namoro

Foto: Internet
Foto: Internet
O casamento é uma das mais desafiadoras e importantes decisões a se fazer na vida. Seja para as mulheres que, normalmente, sonham com esse dia desde bem meninas, ainda brincando de bonecas, ou para os homens que só vão pensar nisso (na maioria das vezes) já mais velhos ou após a ficha cair depois de casados, essa escolha é das mais difíceis e sérias.
O problema é que na fase que antecede o casamento – o namoro –, tempo de preparação, amadurecimento e ajustes, algumas pessoas pulam etapas, não dão o valor devido a alguns detalhes fundamentais que revelam como anda o relacionamento do casal de namorados – um com o outro e com Deus –,  e tão envolvidas que estão pelas questões hormonais à flor da pele ou pela pressão que este século impõe, acabam perdendo o que constrói realmente a relação, acabam perdendo a essência.
Este mundo coloca o sexo no topo da lista das páginas mais acessadas na internet. A mídia oprime com tanta propaganda enganosa sobre o assunto. Mas na realidade o sexo é uma parte maravilhosa criada por Deus, não é o casamento em si. Uma das formas do inimigo contrariar a ordem normal das coisas é fazer com que ele vire o tema central do namoro. O casal de namorados só pensa nisso, só discute isso nos gabinetes pastorais, só debate esse assunto entre eles mesmos… e depois que se casam é o terrível extremo oposto. Isso porque não houve cura, não houve transformação da mente durante o namoro para gerar um casamento saudável.
Hoje quero falar pra você que não só entendeu, mas que também crê que sexo após o casamento é proteção e amor de Deus com sua vida, que sabe o poder que há quando duas pessoas se unem intimamente no casamento, unindo propósitos de vida e que é precioso quando isso acontece debaixo da direção de Deus. Se você está nesse grupo, então, já podemos avançar com nossa reflexão para a segunda parte.
Já que essa é uma questão resolvida para vocês, coloquem na pauta o diálogo, como vocês têm lidado com a arte de ouvir, pensar e responder? E que tal pensar sobre o quanto ele (a) se dedica a conhecer mais a vontade do Senhor? E já observou se ele (a) realmente gosta do que faz, se investe amor e dedicação ao que faz, se busca sair do comodismo e ir além para se destacar no seu trabalho? Já parou mesmo para pensar que essa pessoa que você está apaixonada hoje vai acordar com cabelo em pé e bafo diariamente ou quase sempre? Não estou querendo lhe assustar, mas fazê-la (o) refletir que você precisa amar essa pessoa além das aparências, da beleza, da capa. Ele (a) tem que ter conteúdo e se você não for um bom “leitor” pode passar desapercebido às piores “páginas”.
O tempo de namoro é o momento ideal para identificar gostos, preferências, qualidades, prioridades… não perca esse tempo tão necessário até a caminhada ao altar sufocada (o) em questões que são relativas – serão excelentes – vividas na hora certa no casamento. Neste período de namoro é essencial que você busque em Deus cura para questões que não foram resolvidas no seu caráter e na sua identidade e que estão aparecendo na convivência de namoro, no seu comportamento.
Para ser feliz a dois no casamento é preciso entrar nessa jornada com a disposição de fazer o outro feliz. Mas como fazer isso se você não é feliz sozinho? Você é feliz com Jesus? Você se ama, se cuida, se valoriza? Faça a si mesmo essas perguntas, se analise, busque ajuda nos seus pais, na sua liderança.
Um bom casamento começa no namoro. Nas pequenas atitudes da convivência, na leveza, no respeito, na vida com Deus compartilhada entre o casal de namorados. Não há sucesso em uma relação distante do Senhor. Que tal convidá-Lo para o seu casamento quando ainda estão namorando? Sim, Jesus pode guiar o seu namoro do olhar ao altar, mas você precisa reconhecer que precisa Dele para trilhar esse caminho.
Com você Do Olhar Ao Altar,
::Thalita Daher

A fé retira o medo

Foto: Internet
Foto: Internet
Definitivamente, não há espaço para o medo quando se tem fé, ponto final, são sentimentos completamente opostos, se há medo não há fé, se há fé não há medo. Sendo direto, se você tem medo de alguma situação ou de algo, então você precisa exercitar mais a sua fé, todos passamos por momentos difíceis, em que parece que não há solução para nossos problemas, nestas horas é que podemos ver até que ponto nossa fé vai, use este momento para exercitar a sua fé, para aumentar a sua comunhão com Deus e se tornar mais íntimo dele. Preste atenção, não estou falando de aproximar-se de Deus para conseguir o milagre, porque o alvo não pode ser o milagre, mas, sim, Cristo. Isso geraria um outro problema.
A questão da “Fé x Medo” pode ser vista com clareza quando Pedro vê um “fantasma” andando pelo mar no meio da noite, e ao identificar que era Jesus pediu para que Jesus permitisse que ele fosse estar perto de Jesus (ver Mateus 14.28), Jesus então o chamou, e ele, sem pensar duas vezes, se lançou para fora do barco e pôs-se a andar sobre as águas também. E tudo ia bem até que ele percebeu o que ele mesmo estava fazendo, e talvez ele tenha se questionado quanto à veracidade daquilo, até que a palavra nos conta que ao olhar em volta, e notar a força dos ventos e das ondas, teve medo, observe que antes de perceber toda a situação em volta estava indo tudo bem, já se perguntou como?
Porque naquele momento ele estava focado em Jesus, que estava logo ali à sua frente, e por um momento, não havia onda, nem vento, nem escuridão, nem mar, somente ele e Jesus, num momento ímpar de confiança, só então, depois de notar as coisas ao seu redor, teve medo, e começou a afundar, percebe que quando há medo não há fé? É exatamente isso que Jesus fala para ele quando socorrerá seus gritos de socorro: “E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?” (versículo 31).
É interessante aqui lembrar-nos da definição bíblica de fé: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem” (Hebreus 11.1). “Não confunda fé com esperança, não confunda fé com achismo, você não espera que acontecerá, você não acha que acontecerá, você tem certeza que acontecerá, porque aquele a quem você confiou é fiel para cumprir!
A Bíblia é cheia de exemplos de pessoas que tinham tudo para temer a situação, mas escolheram colocar a fé em primeiro lugar, tendo a certeza que Deus interviria na situação (ver Romanos 8.28), mesmo se seu desafio for gigante e você pequenino (a), você não terá nada o que temer.
Que o Senhor Jesus abençoe você e toda sua família!
::Juan Phillipe

Santidade: o padrão de Deus para nós

Foto: Internet
Foto: Internet
Uma atitude humanista e egoísta nos leva a colocar nossa vontade acima de tudo, inclusive, quando oramos. Embora muitas petições sejam aceitáveis, Jesus nos ensinou a orar assim: “Pai nosso que estás no céu… seja feita a tua vontade” (Mt 6.9-10). Imediatamente, pode surgir uma dúvida: Qual é a vontade de Deus? O que ele quer?Poderíamos propor tantas hipóteses, mas vejamos o que Paulo escreveu: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição” (1Ts 4.3). A santificação é um conceito amplo, do qual a abstinência é um exemplo prático.
Será que o propósito do evangelho é apenas nos abençoar? Seu efeito seria apenas o suprimento das nossas necessidades? Além das bênçãos, a obra de Cristo inclui a santificação, isto é, um processo rumo à santidade, de modo que sejamos cada vez mais parecidos com Jesus. Ser “abençoado” está, geralmente, ligado à ideia de receber. Ser “santificado” relaciona-se mais à renúncia e aparente perda em prol de um ganho maior.
A tradição religiosa distorceu o conceito da palavra “santo”, usando-a para designar alguns cristãos “mortos, porém, poderosos”, mas a Bíblia refere-se a todos os salvos como santos (At 9.13; Rm 1,7; Ef 1.1 etc.).
A santificação é um processo que começa na conversão. Deus nos resgata como faz o pai que retira o filho da lama, sendo este o primeiro ato de uma série. Em seguida, vem o banho e a troca de roupas. Assim também, depois de sermos retirados do reino das trevas, precisamos de uma transformação, que é parte do que chamamos “crescimento espiritual”. Depois da “metanoia” (mudança de mente), vem a “metamorfose” (transformação prática). Não somos apenas transportados para a luz, mas precisamos brilhar como luzeiros no mundo (Fp 2.15), através de um caráter e modo de vida que sejam motivo de glória para o nome do Senhor.
O significado do termo “santificação” tem dois aspectos: “separação” e “dedicação”; é separar-se “de” alguma coisa e “para” alguém ou algum propósito.
Uma boa figura bíblica para o tema encontra-se na história de Israel. O propósito de Deus para o seu povo não era apenas libertá-lo do Egito, mas transformá-lo em nação santa (Ex 19.6). Portanto, deu-lhes a lei para santificá-los. Alguns mandamentos visavam evitar o pecado (separação). Outros, indicavam o que os israelitas deviam fazer (dedicação). São os aspectos “negativos” e “positivos” da santificação, que podem ser resumidos nas palavras do profeta: “Deixai de fazer o mal. Aprendei a fazer o bem” (Is 1.16-17).
O cristão não deve ser conhecido apenas por aquilo que parou de fazer, mas pelo que faz para Deus e em favor do próximo.
Foto: Internet
Foto: Internet
A santificação começa na conversão, mas precisa ser desenvolvida. “Aquele que é santo, santifique-se ainda” (Ap 22.11). Existem níveis de santificação. Por exemplo, a lei dada a Israel tinha o objetivo de santificar o povo. Entretanto, os sacerdotes deveriam seguir mandamentos ainda mais rigorosos para que pudessem estar “mais próximos” de Deus (Lv 21). Outro tipo de santificação era a dos nazireus, que se consagravam de modo especial, abstendo-se até de algumas coisas que eram permitidas ao povo e aos sacerdotes (Nm 6.1-21).
Quanto mais nos santificarmos, separando-nos das contaminações do pecado e nos dedicando ao Senhor, mais próximos estaremos dele, não em sentido geográfico, pois Deus está em todos os lugares, mas em termos de intimidade. Quanto mais sujos, mais distantes. O sumo sacerdote deveria seguir regras rigorosas de pureza para entrar no Santo dos Santos, o local de maior intimidade com Deus no tabernáculo e no templo.
Havia um caminho e um procedimento que conduziam ao Santo dos Santos. O sumo sacerdote precisava entrar pela porta do pátio, fazer o sacrifício para perdão dos seus pecados, lavar as mãos e, com o sangue no recipiente, adentrar nos recintos mais sagrados da casa do Senhor. Mas tudo isso não seria suficiente, se o ministro não demonstrasse um modo de vida coerente com a dignidade do seu ministério. Um comportamento contraditório poderia desqualificá-lo.
O sacerdote começava seu ministério com uma consagração, significando a dedicação de sua vida para o ofício, mas isso era apenas o começo. No dia a dia, ele devia ter uma série de cuidados para não se contaminar. Caso isso acontecesse, havia os rituais de purificação. Contudo, alguns pecados eram punidos com a morte. Portanto, não poderiam acontecer jamais.
Os nazireus, rigorosamente santificados como Samuel, Sansão e João Batista, tiveram gloriosas experiências com Deus, recebendo poder, revelações e missões especiais. Sansão, porém, depois de maravilhosas vitórias, conduziu sua vida no sentido contrário à santificação, tornando-se exemplo de fracasso pessoal, familiar e ministerial.
A santificação é, ao mesmo tempo, afastamento do pecado e aproximação de Deus. É evitar o pecado e tomar atitudes de consagração ao Senhor. A santificação iniciada pelo Senhor Jesus em nós é um processo contrário à contaminação iniciada por Adão.
Como ocorre a santificação? Ela começa pela ação do sangue de Jesus em nós, perdoando os nossos pecados, e prossegue pela ação da palavra de Deus, cujo símbolo é a água, vivificada pelo Espírito Santo, mudando nossa mentalidade e nosso comportamento.
“E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22).
“E três são os que testificam na terra: o Espírito, e a água e o sangue…” (1Jo 5.8).
“Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra” (Ef 5.26).
“Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado” (João 15.3).
“Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo…” (1Pe 1.2).
Os filhos são orientados no sentido de lavarem as mãos antes de receberem o alimento. Assim também, muitas coisas só nos serão dadas pelo Pai celestial na medida em que nos santificarmos. Não nos referimos a coisas materiais, pois estas até os ímpios têm, mas bênçãos espirituais que o dinheiro não pode comprar. Não é questão de merecimento, mas de estar em condições para receber.
“Santificai-vos, porque amanhã o Senhor fará maravilhas no meio de vós” (Js 3.5).
A santificação deve ser nossa prioridade, pois ela é também uma condição para que entremos no santuário celestial.
“Não toqueis nada imundo, e eu vos receberei” (2Co 6.17).
“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14).
::Pr. Anísio Renato de Andrade

O que pode e o que não pode no namoro ?

Um dos assuntos que mexe com a cabeça de jovens e adultos é o da vida sentimental. Por isso, escolhemos uma pessoa especialista nesse assunto para falar com a juventude que segue o portal Lagoinha.com. O pastor Lúcio Barreto, conhecido como Lucinho, com mais de 20 anos de liderança de jovens, fala abertamente sobre “namoro”. Entre várias instruções, ele descreve como deve ser um namoro santo e como fugir dos desejos da carne. Com certeza, vale a pena conferir! 
Lagoinha.com: Como ter um namoro santo?
Pr. Lucinho Barreto: Um namoro santo só existe quando há entendimento entre o casal, de que formará uma só carne. Não adianta um lado ser santo e o outro não. O compromisso do casal com Cristo precisa ser muito forte. Já vi jovens começarem o relacionamento orando, jejuando e muito comprometidos, mas um dos lados estava só de fachada. O lado forte é quase sempre influenciado pelo lado fraco. Geralmente e infelizmente não são o contrário, quem está muito bem com Deus, geralmente, é influenciado por quem não está e não o contrário. A primeira coisa no início do relacionamento é você saber em qual terreno está pisando. Sempre proponho o período de “corte” para saber se está pisando em areia movediça ou em um chão sólido, pois assim irá construir a base para um namoro santo, sabendo que aquela pessoa com quem está ama a santidade e a pureza.
Lagoinha.com: Como evitar os desejos da carne?
Pr. Lucinho: Eu só conheço uma força no mundo que faz o solteiro, casado ou qualquer pessoa refrear algum desejo, seja o de comprar, o sexual, de apetite ou dormir, essa força se chama Espírito Santo. Só Ele consegue controlar nossos desejos, ainda mais na juventude, em que isso é tão explorado e descontrolado. Muitas vezes o que acontece com o casal de namorados é o famoso daqui pra ali, o casal sai do culto entra no carro e começa a se beijar, depois se encontra sem roupas, podendo até ter consumado o ato sexual.
Conheço um casal em que ambos especificaram o que não seria feito. A moça disse ao rapaz: “Você não vai encostar ao meu pescoço por motivo nenhum, porque ativa algo em mim que eu não quero”, houve honestidade. Não se pode ficar em certos lugares sozinhos, usar roupas provocantes. É preciso impor limites em um relacionamento, tanto ela quanto ele. Às vezes começa conversando, depois pega na mão, sempre o dia seguinte exige um pouco mais do dia anterior. E aí como muitos jovens não têm perspectiva de se casarem cedo, não vê uma data, não vê uma possibilidade, o casal acaba não esperarando.
Lagoinha.com: Apenas a mulher deve impor limites ou os dois?
Pr. Lucinho: Algumas mulheres “partem para cima”, mas atualmente tanto o homem quanto a mulher precisa frear. Na verdade, para mim, o homem sabe que pode levar a namorada dele para a cama, mas pode também optar por não levá-la, por ver que ela está num dia mais carente. E age assim: “Eu poderia aproveitar da sua fragilidade, mas não vou fazer isso”, e a mesma coisa a mulher, porque a gente entrega 365 dias, mas sempre há três ou quatro que estamos “virados” (sensíveis) e as resistências estão mais baixas. Então, temos que pedir a Deus: “Senhor, não deixe coincidir o dia da minha fraqueza com a tentação ideal, se não será ‘prato cheio’ para eu cair.”’
Lagoinha.com: O casal é cristão; porém, não segue os preceitos bíblicos. Como ajustar o namoro à luz da Palavra?
Pr. Lucinho: Primeiro é um choque de gestão. Tem que parar com o que está fazendo de errado. Penso que a maioria dos jovens precisa, dentro e fora da igreja, de um período de abstinência de tudo, inclusive de namoro. Muitos sentem medo de não ter alguém, e em um, dois, três anos acabam se envolvendo com tanta gente ou com uma só pessoa, e tão profundamente que não dá para sair e entrar em outro relacionamento.
Assim como um drogado precisa de abstinência, muitos necessitam não apenas encontrar alguém para casar, mas se encontrar primeiro, porque a pessoa não está bem com ela mesma. Então, o casal, primeiramente, deve parar o ato sexual. Se possuir hábitos de ir para o motel, precisa deixar de frequentar. Caso o relacionamento esteja sem limites, deve parar com todas as liberdades. Geralmente (os jovens não gostam que eu fale isso), quando o relacionamento já tem sexo, muita coisa está acontecendo, então, sugiro um “dar tempo” ou até mesmo terminar.
O que defendo é o seguinte: se a pessoa que está com você for de Deus para sua vida, independentemente das circunstâncias, ela irá voltar para você. Quando o casal continua junto fica mais difícil para eles se absterem e fazerem a busca pelo Senhor. Podem conversar, mas devem evitar saírem juntos, ficar sozinhos. Isso para quando forem para o casamento dizerem assim: “Puxa, não venci na área sexual só porque me casei, consegui vencer antes”. Acredito na segunda virgindade, que é quando Cristo entra na vida de alguém. A pessoa pode ter tido a vida mais promíscua, mas Jesus a purificou, e do momento para frente é um recomeço.
Lagoinha.com: O que não posso fazer em um namoro?
*Evite ficar sozinho com o namorado (a);
*Evite entregar demais o coração, tem gente que com um mês, dois meses de relacionamento, diz assim: “Você é tudo pra mim, eu morro sem você”. Vá devagar, não entregue suas emoções tão rapidamente;
*Não fique sem orar;
*Não fique sem ler a Bíblia,
*Não fique sem mentores dentro da igreja, e, principalmente, seus pais monitorando passo a passo do namoro;
*Não misture a vida financeira se não tiver noivado ou ter marcado o casamento,
*Não se isole dos amigos, porque muitos quando começam a namorar se afastam dos trabalhos na igreja e ficam sozinhos, apenas os dois. E se o namoro terminar, não terão mais amigos na igreja. Esses são alguns conselhos simples.
Lagoinha.com: Quais lugares frequentar?
Pr. Lucinho: Indico sempre a casa de ambos, dos pais, pois namorar perto dos pais dá temor. Outra sugestão boa é a igreja e os amigos. Tudo que é feito em grupo é legal. Mas veja que engraçado: o motivo número um de divorcio hoje é o arrependimento de não ter curtido a vida de solteiro. Alguns quando se casam pensam assim: “Nossa, não curti a vida de solteiro, vou voltar a sair, a encontrar pessoas”.
Já o solteiro que pode fazer isso não faz, ele se isola. O solteiro está agindo como casado e o casado quer agir como solteiro. Ainda que esteja noivo(a), é solteiro, tem que sair muito com os amigos, sair com o grupo. É lógico que às vezes ele irá sair sozinho ou com outro casal de amigos. Enquanto os homens saem juntos para assistirem a um jogo, as mulheres vão para o shopping. Um tem que dar espaço para o outro, a questão do ciúme tem que ser muito bem resolvida. Os sinais sempre aparecem, ninguém se casa enganado. A pessoa tem que ser honesta com ela mesma, ver algumas coisas que apontam para algo ruim, que possam acontecer dentro do casamento.
Lagoinha.com: O namoro só deixa de ser santo se houver sexo?
Pr. Lucinho: Não, umas das piores coisas que pode acontecer ou talvez seja a pior, é a defraudação: gerar no outro um desejo que não pode ser realizado. Um rapaz me perguntou assim: “Até onde posso ir com a minha namorada um milímetro antes de pecar?” Eu falei: “É a mesma coisa de você me dizer que quer andar na beirada do precipício. Você anda, mas o risco de você cair é muito grande, pois está muito perto. Então vou lhe dar a seguinte resposta: faça com a sua namorada tudo o que você quiser que um rapaz faça com a com a sua filha quando ela namorar.” “Mas como assim, qual será o limite?” Simples o limite, faça com essa jovem tudo que você puder fazer no altar da igreja”. Entenda que as atitudes são um boomerang, fazer com a filha dos outros é legal, mas a vida anda. Hoje você é estilingue, amanhã será a vidraça. Tome cuidado!
Lagoinha.com: O homem olhar para outra mulher ou vice-versa também traz o pecado para o namoro?
Pr. Lucinho: Não, a gente precisa entender que Deus colocou em nós a condição de apreciar sem pecar. Posso olhar um carro, posso olhar uma mulher e dizer: “Olha que bonita!”, e não desejá-la, arrancar-lhe a roupa em minha cabeça e não levá-la para a cama. Quantas vezes eu e minha mulher, casados, assistindo a um filme ou em lugar, cometamos sobre alguém. Exemplo: Eu e a Patrícia estávamos na praia, quando disse: “Paty, veja esse cara. Poxa, ele está cuidando do corpo, parece mais velho, mas está muito bem, em forma.” Hoje a sociedade está tão pecaminosa, tudo é sexo, arrancar a roupa. É possível apreciar, achar legal sem imediatamente cometer pecado.
 Lagoinha.com: Como saber se a opinião de outras pessoas (como amigos, pessoas não cristãs) está influenciando?
Pr. Lucinho: Contar tudo só mesmo para quem pode ajudar. Não vou contar para os meus amigos que estou com uma dor, vou a um especialista, ao médico. Pode ser que você irá se abrir com um amigo(a) que está no mesmo grau que você. As igrejas estão cheias de pastores, casais mais velhos que podem ser mentores, sem contar os pais. Temos o hábito de ir atrás de quem não pode acrescentar nada à nossa vida, e não de quem tem todas as ferramentas, porque já passou por experiências semelhantes, e pode aconselhar, mas às vezes não escutamos. O jovem, principalmente, chega a duvidar dos conselhos da mãe: “Ah, o que a minha mãe pode dizer?” É preciso saber que Deus guardou dentro dos pais um amor pelos filhos que ninguém sente. Logo, eles podem dizer o que servirá como solução.
Lagoinha.com: É bom ser acompanhado por alguém?
Pr. Lucinho: É muito importante o acompanhamento de alguém, pois tem coisa na vida que a gente consegue fazer sozinho, mas há aquelas que acontecem somente com ajuda. E a vida sentimental tem se tornado “calcanhar de Aquiles” para muita gente, e essa é a área mais frágil, mais destruída da vida da pessoa. Então, se a pessoa tiver um coach (técnico), alguém que o aconselha aonde ir, como ir, será muito bom. Digo, porque passei por isso, e tenho o privilégio de fazer atualmente aos outros. Vejo que faz toda a diferença, é um presente de Deus!

Esse Relacionamento é da vontade de Deus ?



Cinco dicas para saber se o namoro é da vontade de Deus


Muitas pessoas carregam no coração uma grande dúvida com relação à vida sentimental. Ou seja, como saber se esta ou aquela pessoa é a que Deus separou para mim? Como saber se este namoro é de Deus? Venho fornecer algumas dicas a este respeito. São dicas baseadas em experiências e orientações contidas na Palavra de Deus. 

1ª dica – Os Frutos - Como disse Jesus, uma boa árvore se conhece pelos frutos “Portanto, pelos seus frutos o conhecereis” (Mateus 7:20). Assim, veja se o rapaz ou a moça é um servo de Deus, analise o seu comportamento, a sua vida com o Senhor. Cuidado, pois existem muitos lobos vestidos de ovelhas. Certa vez eu namorei um rapaz e chegamos a ficar noivos. No começo ele me acompanhava no trabalho da igreja. Depois que ficamos noivos, disse que precisávamos dar um tempo da igreja e começou a querer me impedir de exercer meu ministério. Ou seja, começou a apresentar maus frutos. Eu então decidi terminar o namoro embora gostasse muito dele. Melhor fazer a vontade de Deus do que fazer a vontade dos homens, não é mesmo? Assim, ao namorar alguém precisamos verificar com atenção os seus frutos. É preciso tomar cuidado quanto a isto, pois muitas vezes, por estarmos envolvidos sentimentalmente, não prestamos a atenção neste aspecto. Criamos uma certa ilusão e nos esquecemos de analisar os frutos da pessoa. Por este motivo, analise friamente os frutos da pessoa que está se envolvendo. Veja a sua vida na igreja e especialmente em casa, se é um bom filho ou boa filha, analise também o seu comportamento profissional, etc. É muito fácil ser cristão na igreja, os verdadeiros frutos são revelados no dia a dia, nos bastidores. 

2ª Dica – A paz - A Palavra de Deus diz que a “paz” deve ser o árbitro em nossos corações “Seja paz de Cristo o árbitro em vosso coração” (Col. 3:15). O árbitro é aquele que resolve uma questão, que direciona. Ou seja, a paz deve ser o indicativo se o relacionamento é ou não da vontade de Deus. Assim, se o namoro é algo que rouba paz, que leva a pessoa a ficar distante de Deus, que traz inquietação, perturbação, cuidado pois há algo de errado. Lutas e obstáculos sempre existirão, enfim, lutas externas e até desentendimentos esporádicos causados por diferenças de opiniões. Todavia, se o relacionamento rouba a sua paz interior, especialmente a sua comunhão com Deus é um grande indício que de o Senhor não está nesse relacionamento. 

3ª dica – É paixão ou amor? - Um outro aspecto relevante é questão da diferença entre amor e paixão. Às vezes nos envolvemos numa paixão e nos machucamos achando que é amor. Paixão é algo avassalador, que nos leva a perder a razão, a lógica e até o temor de Deus. O amor, ao contrário, já é um sentimento maduro, consciente, nasce aos poucos, se desenvolve com o tempo e vai se fortalecendo diante das dificuldades. A paixão á algo passageiro, não resiste à distância, esfria, não espera. O amor, ao contrário, permanece “o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta” (I Cor. 13:07). O amor sabe esperar o momento certo para o sexo (o casamento). A paixão não, pois é pura emoção. Para exemplificar esta questão, cito, como exemplo, o sentimento de Amnon por Tamar (II Samuel 13) e o sentimento de Jacó por Raquel (Gênesis 29). Amnon se apaixonou por Tamar, sua irmã. Após ter tido relações sexuais com ela, a deixou friamente. Quantos jovens abandonam moças grávidas após satisfazer os seus desejos sexuais?! Jacó, por sua vez, amou a Raquel e o seu amor o fez esperar 7 anos até finalmente tê-la em seus braços. Além disso, trabalhou mais 7 anos para poder estar ao lado de sua amada definitivamente. 

4ª dica – Enriquecimento – A Palavra de Deus afirma que a benção do Senhor enriquece e não acrescenta dores (Prov. 10:22). O namoro que é da vontade de Deus traz um enriquecimento mútuo. Ou seja, traz um enriquecimento na área espiritual, profissional, familiar, etc. Deus que ama e cuida de nós certamente colocará alguém em nosso caminho que nos abençoe, que tenha algo de bom a acrescentar em nossa vida, que nos ajude a dar continuidade aos nossos sonhos. Lamento muito quando vejo jovens se envolvendo sentimentalmente com pessoas que nada têm a acrescentar em suas vidas. Ao contrário, são pessoas que surgem para roubar a paz, o futuro e para trazer dor e destruição. O namoro, em caso como estes, se torna um verdadeiro sofrimento. 

5ª dica – Convicção – Jesus certa vez disse que a palavra do cristão tem de ser sim, sim ou não, não e que tudo o que passar disso é de procedência do maligno (Mateus 5:37). Neste caso, o namoro aprovado por Deus é algo certo, definido e não indeciso. Quando o relacionamento é envolto por inseguranças e incertezas, algo está errado e precisa ser revisto, pois a dúvida não procede de Deus. Por isso, ao relacionar-se sentimentalmente com alguém é preciso pedir ao Senhor a confirmação sobre o namoro. Se não houver certeza, ore bastante e busque a direção de Deus e se preciso for, abra mão do relacionamento antes que alguém se machuque. Jamais se relacione com alguém sem que haja essa confirmação, essa convicção sobre os seus sentimentos. Entenda que um casamento é para toda vida. Afinal de contas, você está namorando pensando no futuro, fazendo planos para formar uma família. Se a sua visão é apenas ficar, passar o tempo, reavalie profundamente os seus conceitos, pois este não é o plano de Deus para o namoro.
Aos solteiros, aconselho a que não se atemorizem com o tempo, pois vale a pena esperar em Deus. E como descrito em Eclesiastes 3, existe um tempo determinado para todo propósito debaixo do céu. Assim, o melhor a fazer é buscar a Deus, crescer espiritualmente e profissionalmente. Enfim, adquirir maturidade em todos os aspectos para que quando chegar o tempo de construir uma família, você possa ter uma estabilidade espiritual, emocional e material. 

POSTADO: Pastora Mérces 

Uma mulher conquistadora


A história de Débora é uma inspiração para todos aqueles que precisam por fim ao domínios de inimigos cruéis. Seu exemplo de determinação e coragem nos desafia à conquista.

Então disse Débora a Baraque: Levanta-te, porque este é o dia em que o SENHOR tem dado a Sísera na tua mão; porventura o SENHOR não saiu adiante de ti? Baraque, pois, desceu do monte Tabor, e dez mil homens após ele. (Juízes 4:14)
No capítulo 4 do livro de Juízes, dos versículos 4 a 24 podemos encontrar a história de uma mulher que marcou sua geração pela coragem e determinação que demonstrou. O texto nos conta que os filhos de Israel estavam desagradando o coração de Deus, fazendo o que era mau perante o Senhor.
Com a desobediência de Israel eles foram entregues nas mãos dos seus inimigos (rei Jabim, que tinha em seu exército um comandante chamado Sísera e novecentos carros de ferro – Israel não tinha acesso ao ferro, sendo assim eles não tinham o mesmo poder bélico para enfrentar seus inimigos). Com essa situação de perigo eles clamaram ao Senhor, pois, por vinte anos estavam sendo oprimidos.
Algumas pessoas, ainda hoje, têm vivido entregues nas mãos dos seus inimigos. Têm experimentado as amargas conseqüências de uma vida afastada de Deus, sendo humilhadas e escravizadas. Deus quer mudar essa situação!
Quem são os inimigos que têm lhe desafiado? Um casamento destruído, filhos perdidos nas drogas, vida financeira derrotada, ausência de paz, amargura, falta de perdão, depressão... Você já identificou todos os inimigos que estão lhe afligindo?
Débora conseguiu a vitória em sua vida porque adotou algumas posturas em relação aos seus inimigos. Vamos ver quais foram essas posturas.
Débora não se conformou com a situação de derrota. Ela enfrentou a luta. Débora era a única mulher juíza entre os juízes de Israel. Ela era profetisa e julgava Israel naquele tempo. Viveu por volta de 1125 AC e era esposa de Lapidote. Diante de uma situação de derrota, Débora não aceitou, não se entregou e não se conformou e, tomando uma atitude, mandou chamar Baraque (vs. 6).
A Bíblia narra o receio de Baraque e a condição que ele impôs para lançar-se à luta: Débora teria que ir à batalha com ele. E a resposta de Débora foi: “certamente irei contigo” (vs. 9). Ela não fugiu da luta, mas se dispôs a acompanhar o inseguro Baraque.
No capítulo 5 de Juízes, onde temos o cântico de Débora, ela relata nos versos 6 e 7 o caos que imperava entre os israelitas e de como não se acomodou à situação, mas “levantou-se como mãe de Israel”.
Hoje podemos encontrar pessoas que se acomodam diante de uma situação negativa. Na primeira dificuldade, na primeira resistência, entregam os pontos. Deus precisa de gente disposta, que resista ao comodismo e se apresente para lutar as lutas do Senhor.
Débora precisou se levantar e guerrear contra os inimigos do seu povo. Hoje, você também deve se levantar para guerrear contra os seus inimigos e os inimigos da sua família. Decida sair da sua zona de conforto e enfrentar a situação, pois a vitória no Senhor já é certa.
Débora temia a Deus e o reconhecia como seu comandante. Temor a Deus fala de reverência, respeito e obediência. É aquela preocupação de não desapontar o coração do Pai. A presença de Débora fazia com que Baraque sentisse a presença de Deus, o que também trazia inspiração ao seu reduzido exército.
Quando tememos ao Senhor e o reconhecemos como nosso único comandante, que vai à nossa frente nas batalhas, passamos a não mais temer os nossos inimigos, pois sabemos que a nossa força vem do Senhor dos Exércitos, o Todo Poderoso.
Deus tem que ser o comandante da nossa vida. Aquele que nos direciona. Não podemos andar na contra-mão de Deus. Muitas vezes queremos governar nossas vidas, dar uma ajuda a Deus, colocar a nossa mãozinha, mas, se queremos experimentar a vitória, o Senhor Deus deve ser o único que deve comandar a nossa vida.
Débora era obediente. Quando ouvimos Deus falar conosco, devemos fazer o que Ele nos diz. Deus nos fala através de sua palavra. “Lâmpada para os meus pés e luz para os meus caminho é a tua palavra” diz Salmo 119:105. Precisamos confiar nas suas promessas, crer na sua palavra e obedecê-la.
Débora chamou a Baraque e perguntou se ele não iria lutar contra o exército do rei Jabim, e Baraque hesitou, assim como Gideão, Moisés e muitos outros, diante da força dos seus inimigos.
Normalmente os nossos inimigos tentam nos intimidar se fazendo parecer maiores do que nós. Mas, se estivermos certos de que o lugar dos nossos inimigos é debaixo dos nossos pés, como diz a palavra de Deus, então não temos o que temer. Débora creu, lançou uma palavra de Deus e confiou no seu cumprimento.
Débora enfrentou seus inimigos na força do Senhor, os perseguiu, os alcançou e os destruiu. A vitória está não na nossa força, mas na força do nosso Deus. Baraque sentia segurança com Débora, pois Deus lhe havia feito guerreira. A Bíblia também nos diz que Deus fez os seus filhos para ocuparem a posição de cabeça e não de cauda.
Vejam a seguinte ilustração. Foram feitos estudos aerodinâmicos em relação à abelha para se descobrir como ela poderia voar sendo seu corpo tão grande em relação às suas asas. A conclusão que me convencxe é que Deus, quando fez a abelha, soprou no seu ouvido e lhe disse “você pode”, e ela voou.
Você foi criado para ser um vencedor. Em Deus você pode perseguir, alcançar e enfrentar os seus inimigos, pois o Senhor os entregará nas suas mãos. Creia nisso. Baraque e Débora enfrentaram os seus inimigos e saíram vitoriosos. Portanto, não desista, Deus é contigo.
Débora era uma adoradora e tinha gratidão a Deus. O reconhecimento de que a vitória completa frente aos cananeus só fora possível pela força que vinha de Deus levou Débora a compor um lindo cântico de adoração ao Deus Eterno (Jz 5). No verso 21, Débora conta como o Senhor aniquilou aos 900 carros de ferro de Sísera, o capitão dos cananeus: um enorme temporal fez transbordar o rio Quison e varreu as carruagens dos cananeus, lançando-os em confusão e tornando-os presas fáceis. Diante de tamanha grandeza, Débora diz: “eu cantarei ao Senhor; salmodiarei ao Senhor Deus de Israel” (Jz 5:3).
Por fim, podemos encontrar o resultado dessa história no Salmo 83, vs. 9 e 10: “Faze-lhes como fizeste a Midiã, como a Sísera, como a Jabim na ribeira de Quison; os quais pereceram em Em-Dor; tornaram-se adubo (estrume) para a terra”. Portanto, Deus quer fazer com os nossos inimigos o mesmo que fez com os inimigos de Israel, torná-los estrume para a terra. Mas, para isso ele precisa encontrar pessoas que se disponham a agir como Débora. Que não temam os inimigos, que creiam no poder que vem de Deus e que seja um guerreiro, que persegue, enfrenta e vence os inimigos do seu povo, a fim de que o nome do Senhor seja exaltado. Seja um guerreiro vencedor, pois é Deus quem está no comando da nossa vida.

 
Princesas De Deus ♥ © 2012 | Designed by Rumah Dijual, in collaboration with Buy Dofollow Links! =) , Lastminutes and Ambien Side Effects